Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2017

Apresentação - Aquela Cruz na Curva

Imagem
AQUELA CRUZ NA CURVA
(Um relato de uma experiência pós-morte)


APRESENTAÇÃO



       Em 1980, eu tinha 10 anos e um plano traçado: eu seria o novo Zico. Os jogadores, àquela época, penduravam as chuteiras aos 33, 34 anos, no máximo, era raro que algum prolongasse a carreira além desse limite. Eu faria 17 no ano em que Zico faria 34. Nada poderia ser tão positivamente coincidente. Entretanto, minha carreira nas divisões de base não foi tão brilhante assim e, aos 15, eu já presumia que esse plano ia falhar. Tive, então, que repensar toda a minha trajetória. Agora sou mais cascudo, meus sonhos miram para dentro. Detectei que os dois maiores males, o egoísmo e a ansiedade, que ocorrem entrelaçados, não só em mim, mas em quase toda a gente, se equacionaram e me dispuseram um modo semicontrolado. Meu egoísmo acalmou minha ansiedade, que agora só atua em mim para mim – meu bem mais precioso é meu tempo livre, que não vendo por preço algum. Não tento convencer ninguém, só ofereço minhas ideias, se …

pares

Imagem
pares


toda égua se parece com um cavalo cão com cadela, galinha com galo a clarabela e o pateta - são da mesma formada
os homens também são parecidos muda a renda per capita se come churrasco, kafta bolinho de terra ou nada.

06.11.17

congentionado

Imagem
congentionado

outra coisa que me virou doença: me afastar de gente que me enche o saco - comprei uma moto pra ir trabalhar porque a cidade tem mais carro e quebra-molas que ruas
cada vez mais me saio de perto dos outros mas eles jamais saem a gente é essa gente toda que a gente conhece da fofoca aos políticos corruptos se sabemos, somos, vamos juntos o movimento do tempo é um só todos em um ário, como aquário
virou doença crônica me estresso tentando evitar que os quebra-molas me encham o saco e eu chegue e aguente mais um monótono clicar de mouse - que já foi `tomar conta de papel para não cair da mesa`
problema meu, acomodação mas, chato pra caralho – com todo o respeito e todas as poesias, e capinar no sol quente é mais agressivo ao organismo mais escravo assalariado